Sobre a redução da maioridade penal e os demagogos de plantão

0
4425

Sobre a maioridade penal, que começou a ser, finalmente, derrubada hoje: os pseudo-defensores de adolescentes, esquerdistas que gostam de fingir amor ao próximo para se vangloriar numa mesa de bar, acham que um adolescente de 16 anos pode votar, eleger um presidente, eleger congressistas, que podem levar o país ao fundo do poço, como é o caso agora, mas acham que o mesmo “garoto” não pode responder criminalmente?

É simplesmente inacreditável. São os mesmos que defendem que a “mulher deve ser dona do próprio corpo” e que “só a mulher pode decidir sobre o aborto”, deixando, em tese, a decisão com quem sofre pelo ato. Por que esta lógica não é usada no caso dos menores criminosos? Por que não permitir aos pais vítimas de assassinos juvenis opinar e decidir se um garoto com uma AK-47 deve ou não responder criminalmente? Por que não parar de debochar de uma sociedade que deseja, sim, reduzir como medida paliativa 2 anos desta imoral “maioridade penal”? Por que não parar de tripudiar sobre milhares de vítimas que não estão mais aqui pra se defender? Liana Friedenbach está enterrada e o Champinha está fumando Marlboro num presídio ou instituto qualquer — por enquanto, porque depois estará livre. Esta é a diferença. Simples. Dura. Direta.Tais demagogos não querem saber da opinião da população do país. Só ouvem o próprio ego, a própria ideologia doente, atrasada e cúmplice de todo tipo de crimes ao longo da história.

Além de serem desumanos com as vítimas, tais defensores também acabam por prejudicar, e muito, os “jovens”, que constantemente pagam pelos crimes de membros de quadrilhas mais velhos, que imputam os atos aos “menores”. E ainda possuem a audácia de dizer que não há mais vaga nas cadeias, quando o contribuinte brasileiro paga impostos pra ter cadeias até em Júpiter, se preciso for.

Que venham mais vitórias do bom senso neste país. Deixem os esquerdistas se vangloriarem enquanto tomam chopp em botecos caríssimos do Rio e São Paulo. Ninguém mais acredita neles.

 

Alexandre Karamazov é jornalista