Resumo da semana: 19/11 a 24/11

0
304

19/11

– Vice-ministra de Cuba perde seu cargo pois o filho médico permaneceu no Brasil.

20/11

– Bolsonaro anuncia ministro da Saúde: Luiz Henrique Mandetta.

21/11

– Ex-chavista do alto escalão admite à justiça americana esquema envolvendo mais de 1 bilhão de dólares na Venezuela.

– Vagner Freitas, presidente da CUT, que ameaçara pegar em armas à época do impeachment de Dilma, conta em entrevista que teve de demitir 65 funcionários no início do ano, e que a entidade colocou à venda o prédio da sua sede, avaliado em R$40 milhões. A Central Única dos Trabalhadores, que viveu seu esplendor nos governos Lula e Dilma, vai à lona sem o imposto sindical.

– Telegramas revelam que partiu de Cuba a proposta para criação do Mais Médicos, em negociação secreta com Dilma. (obrigado, Alvaro Santos Llamosas).

22/11

– Folha de S. Paulo e um “leitor imaginário”, como bem observou Flavio Gordon, temem por “teocracia bolsonarista”.

– Site do Mais Médicos sai do ar diante da alta procura de médicos…livres.

– Luiz Antônio Nabhan Garcia, futuro secretário especial de Assuntos Fundiários do novo governo, avisa que quem invade propriedade privada é criminoso e deve ser tratado como tal, em recado ao MST.

– Bolsonaro anuncia o novo min. da Educação: Ricardo Velez Rodriguez, sugestão de Olavo de Carvalho.

– Destaca-se trecho de texto onde o novo ministro afirma ser preciso “retirar o entulho marxista (…) do MEC”.

23/11

– Juiz torna réus o ex-presidente Lula, Dilma, Palocci e Mantega por “quadrilhão do PT”.

– Na 56ª fase da operação Lava Jato, a PF apura desvios na construção da nova sede da Petrobras (#OPetróleoÉNosso), em Salvador, BA.

– Mais de 11 mil inscrições efetuadas para o programa Médicos, sem um centavo de dinheiro público pingando no bolso da ditadura cubana.