Quanto custou e quem bancou a campanha da comunista Jandira Feghali

0
9402

No púlpito da Câmara dos Deputados, Jandira Feghali faz discursos vibrantes contra as elites, o capital e tem muito orgulho de pertencer ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Na prática, porém, Jandira não parece ter receio de receber dinheiro (bastante) privado para ser eleita. A deputada é ferrenha defensora de Dilma Rousseff e Lula, e inimiga mortal de Eduardo Cunha (um próximo texto mostrará que ambos se distanciam, em tese, ideologicamente, mas se parecem muito nos costumes).

O total para ser eleita deputada pelo Rio de Janeiro em 2014? R$1.173.885,49. Um trabalhador brasileiro, proletário, que ganhe R$2.500,00/mês, por ex., levaria aproximadamente 39 anos para acumular tal fortuna, fingindo que o mesmo não tivesse de pagar impostos. Este valor foi declarado ao TSE.

Os maiores doadores de Jandira Feghali foram:

Energia Verde Produção Rural – R$300.000,00

A empresa é da empreiteira Queiroz Galvão, investigada na Lava Jato e foi a que mais recebeu recursos federais em 2015.

Construtora LPV – R$200.000,00

No site da construtora acima, chegamos aos seus principais clientes, foto abaixo:

Clientes LPV

Não é preciso ser policial federal para perceber a quantidade de construtoras acima envolvidas em investigações e condenações na justiça. Se um dinheiro desviado da Petrobras fosse repassado à Odebrecht, por ex., e a Odebrecht repassasse parte deste valor à LPV (é uma hipótese, não há investigação em curso) e a LPV, por sua vez, doasse à deputada Jandira, perceberia-se que o caminho da corrupção poderia ser facilmente trilhado.

Tallento Construtora – R$150.000,00

Parece que Jandira tem a simpatia dos construtores brasileiros que, estranhamente, tem em uma parlamentar que, supostamente, abomina o capital uma forte destinatária de verbas. A Tallento, de São Paulo, tem entre seus clientes o grupo Schahin, onde a Lava Jato marcou presença, e cujo dono pediu perdão à sociedade brasileira em audiência com o juiz Sérgio Moro. A Operação Carbono 14, desdobramento da Lava Jato, trilhou o caminho do dinheiro – R$ 12 milhões – emprestado pelo Banco Schahin, em 2004, ao pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, até ao repasse de R$ 6 milhões ao Ronan Maria Pinto, de Santo André. No site da Tallento, acima dos clientes, um slogan emblemático: “Parcerias sólidas, que superam expectativas“. Novamente, a proximidade da campanha de Jandira com o que há de mais sujo na política é preocupante, ainda que, reitero, a deputada não seja investigada.

CIA Siderúrgica Vale do Pindaré – R$110.000,00

Também da Queiroz Galvão (a maior doadora oficial de Jandira), a empresa atua em Açailândia-MA, junto com a Energia Verde Produção Rural. A Queiroz Galvão teve mais de R$160 milhões bloqueados pela Lava Jato. E o valor de sua ação na Bolsa de Valores (gráfico abaixo) deixa claro a situação da empresa:

QGalvPapel

 

Empreiteira de Construção Santana dos Reis – R$70.000,00

A empresa tem sede em São Paulo, capital.

Cervejaria Petrópolis – R$50.000,00

Suspeitos ligados à cervejaria são investigados na operação Zelotes; os advogados do dono, Walter Faria, viraram réus. São eles: Benício Junior e Guilherme Macedo Soares.

Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos – R$50.000,00

No site da empresa já recebemos a seguinte ‘boas vindas’:

cristalia Rouanet

Como a própria empresa alerta, ela foi citada na operação Boca Livre, que há pouco tempo foi atrás de fraudes envolvendo a Lei Rouanet. O diretor da empresa, Odilon Costa, teria sido um dos beneficiários. Em tese, a documentação da empresa previa três shows da Orquestra Sinfônica Nacional para popularizar a música instrumental. O MPF afirma que os recursos pagaram um show do Jota Quest em um congresso em 2014, no Recife. A orquestra também se apresentou neste evento, patrocinado pelo laboratório. A Cristália também afirma ter 32 PDP’s com o Governo Federal (PDP é ‘Parceria de Desenvolvimento Produtivo’, que une o poder público e instituições privadas).

Estaleiro Brasfels – R$ 50.000,00

O Brasfels é o estaleiro do “Grupo Keppel Fels”, que está em Angra dos Reis-RJ. Um grupo estrangeiro, Keppel Fels, de Singapura, doando capital, ainda que indiretamente, para Jandira Feghali chega a ser cômico.


 

Jandira ainda recebeu R$30.000,00 da empresa Ticket Serviços e outros R$30.000,00 da Tomé Equipamentos e Transportes, com sede em Fortaleza-CE, e que presta serviço à Petrobras, como indicado em seu site; e muitas outras contribuições, que variam de R$25,00 até R$25.645,50, que preferi não especificar pois o texto ficaria muito cansativo.

Como pode se observar no caso de Jandira, seus discursos passam longe, muito longe, do que o próprio site do PCdoB prega:

PCdoB
Fonte: pcdob.org.br

Ao que tudo indica, Jandira milita na mais bem sucedida revolução já iniciada pelos comunistas brasileiros: a luta pelo dinheiro público e privado.