Os black blocs sem máscara: a cumplicidade de “intelectuais” com criminosos

0
1000

No dia 5 de setembro de 2013, Caetano Veloso visitava a sede do Mídia Ninja, coletivo que se denominava independente — e o faz até hoje, mesmo após vir à tona uma doação de 80 mil dólares por parte de George Soros. Na ocasião, o cantor afirmou que era uma “violência simbólica proibir o uso de máscaras [nas manifestações]” e posou para uma foto vestido de black bloc:

caetanobloc

5 meses depois, um homem que devotou sua vida a informar os outros, Santiago Andrade, cinegrafista da BAND, morria no Centro do mesmo Rio de Janeiro onde Caetano Veloso orgulhosamente brincava de cobrir o rosto, e onde vive até hoje, tranquilamente. Seus assassinos? Dois black blocs, instantaneamente transformados em “presos políticos”: Caio de Souza e Fábio Raposo, que aguardam o julgamento em liberdade desde 20 de março de 2015, sem o uso de tornozeleiras eletrônicas, inclusive.

presospoliticos
Página de apoio aos “presos políticos” da “ditadura”.

Gregório Duvivier, em sua última coluna na Folha de S. Paulo, Dona Folha, tá difícil te defender”, diz o que pensa sobre os black blocs:

Duvivier e os 'meninos'.
Duvivier e os ‘meninos’.

Eis os fatos: black blocs são violentos, causam danos diretos e indiretos a inúmeras pessoas inocentes, propriedades e, volto ao início do texto, já mataram um inocente.

Eis as versões, que são as que triunfam no Brasil como verdades absolutas: black blocs são meninos de “12 anos com espinhas, mochila cheia de roupa preta e remédios para acne“, é descolado apoiá-los e, claro, os que foram presos são vítimas da “ditadura Cabral-Pezão”.

Em nenhum momento Gregório citou Santiago Andrade, mas não pôde impedir a resposta precisa de sua filha, Vanessa Andrade, sobre o fato do colunista da Folha tentar minimizar os black blocs e seus danos:

texto4

Vanessa chama-os de assassinos, pois o são. E é importante lembrar, no país que se esquece do ontem pela manhã, de outros fatos obscuros: a proximidade do PSOL e os black blocs.

Em 2014, Eloísa Samy e David Paixão, então foragidos da Justiça, contaram com a deputada estadual Janira Rocha(PSOL) que, usando seu carro oficial da ALERJ, foi pedir asilo político para a dupla ao Uruguai. Observem a gravidade dos fatos.

Marcelo Freixo e Elisa Quadros, a “Sininho”, constantemente são acusados de terem, juntos, atuado orquestrando os black blocs, mas não há provas sobre essas acusações. O que se sabe é que em fevereiro de 2015, em depoimento no Tribunal de Justiça do RJ, em audiência de instrução e julgamento de 23 acusados de atos violentos nos protestos de 2013 e 2014, onde o PSOL é citado como ‘financiador’ dos black blocs, Freixo reiterou que não tinha envolvimento com ela, Sininho, e com os mascarados. Disse que a encontrou duas vezes, sendo que uma foi para ouvi-la sobre ‘acusações de torturas e maus tratos’ aos então prisioneiros Caio de Souza e Fábio Raposo, assassinos de Santiago Andrade. Como já dito aqui, coincidentemente ou não, em 20 de março de 2015, ambos foram soltos. Se o PSOL fez pressão para isso nos bastidores, talvez jamais saberemos. Mas o partido não pode negar que uma de suas parlamentares, à época, ajudou foragidos envolvidos com black blocs.

Fica claro, ao menos para mim, que a intelectualidade da esquerda, em seu afã sistemático por defender o suposto “lado mais fraco”, acaba fazendo justamente o contrário: as teorias estapafúrdias de um humorista ou compositor famosos em suas respectivas colunas de jornal, independentemente de data, acabam chegando à realidade e prejudicam os mais fracos, como Santiago. E na realidade, a vida tem consequências. Na prática, corpos ficam pelo caminho, assim como filhos e filhas. Na vida real, o romantismo de suas defesas ao indefensável bate no muro do contraditório. Mas, estranhamente, ambos parecem não se importar. Acham que tudo não passa de um complô entre setores “ultra-conservadores” e a “mídia golpista” para aniquilar todos aqueles que pensam diferente deles.

E fica uma dúvida no ar: no texto onde também minimiza o poder de destruição dos black blocs, Gregório poderia fazer história e terminá-lo com os dizeres: “e, pelo dito acima, me demito deste veículo golpista”. Não o fez. Por que será? Me pergunto o mesmo sobre todos aqueles que acreditam que a imprensa é golpista (tendo derrubado Dilma, em suas visões), mas continuam recebendo salários da mesma e, diariamente, concedendo entrevistas para ela. Eu jamais viveria em paz com minha consciência se assim acreditasse e o fizesse.