O primeiro discurso de Ernesto Araújo, min. das Relações Exteriores, foi histórico

0
381
Depois uma senhora presidente que via cachorros atrás de crianças, saudava a mandioca e estocava o vento, acabo de ver o discurso do min. de Relações Exteriores.
 
Uns dirão que foi brega. Brega porque citou Raul Seixas ou Renato Russo — quando Lula falava que era uma “Metamorfose Ambulante”, a imprensa tinha um orgasmo. Outros dirão que foi excêntrico, já que teve até Ave Maria em tupi, na versão do Padre José de Anchieta. Alguns dirão que trata-se de um louco, afinal chamou Olavo de Carvalho de professor. Poderão acusá-lo de irresponsável, despreparado e lunático. Certamente o chamarão de radical, pois disse se preocupar com o ódio a Deus.
 
Eu não o conheço pessoalmente. Nunca tinha o visto falar em público. Depois de assistir o discurso, minha opinião, e divirjo da imprensa não pelo prazer em fazê-lo, mas por realmente achar que foi um discurso histórico. Poderoso. Ernesto me parece um sujeito que ama o Brasil com todas suas forças. Ama tanto que lembrou ao Itamaraty que o mesmo faz parte do país. Que eles não estão acima de nós, meros mortais. Numa época onde a maioria das pessoas públicas tem desprezo pela realidade, ouvir um ministro clamando para que a enxerguem e a respeitem, é um alívio. Por aqui, o corporativismo é uma constante. Logo, a atitude do ministro foi corajosa. Humilde.
 
Além de humilde, corajoso. É preciso muita coragem para fazer este discurso público, pois ele sabe, como eu sei, que será tachado de ridículo, maluco, excêntrico, e todos outros adjetivos pejorativos. Saiu, o ministro, de sua zona de conforto. Hoje, admiro os que tomam esta atitude. Que vão para o front, quando poderiam estar em casa, confortáveis, sem se expor.
 
Com uma elegância e saber notáveis, deixou claro que não serão organismos internacionais que tocarão o pandeiro por aqui. Seremos nós.
 
Então, ao contrário de brega, louco, excêntrico ou extremista, me parece que o ministro é um excelente homem para o cargo. O Brasil, também no Itamaraty, parece estar sendo devolvido aos brasileiros. E hoje é apenas o 2º dia do ano.