O jornalista Ilimar Franco acha que quem faz oposição é nazista – Carta Aberta

0
4380

11705805_916076588450153_3208169629910230840_o

Muito bem observado pelo Alexandre Borges, do Instituto Liberal, em seu Facebook, um absurdo vindo do jornal o Globo, via Ilimar Franco, colunista diário.

Como é possível observar na imagem acima, o jornalista Ilimar Franco, do O Globo, acusa as organizações contrárias ao governo de atacarem “as cotas, os nordestinos, os sem-teto, e alguns usam símbolos como a suástica nazista”.

Quem acompanha minimamente as manifestações, sabe que ele mentiu. Então, por que é importante respondê-lo? Por que perder tempo? É preciso tomar fôlego pra replicar estes absurdos e não deixar uma atitude como essa passar em branco, pra mostrar que a supremacia de um só pensamento acabou no Brasil. Diante das gravíssimas acusações, resta, a meu ver, aos movimentos de rua — eu faço parte de um deles, inclusive — tomar medidas judiciais para que este senhor prove o que afirmou a seus milhões de leitores.

Quanto ao conteúdo acusatório do colunista, não pode ser ingenuidade, tratando-se, portanto, de pura má intenção, principalmente por qualquer um ter acesso às fotos das enormes manifestações realizadas por nordestinos no nordeste brasileiro — o Google está aí pra isso. Ilimar tenta usar a tática repulsiva do PT: dividir pra conquistar. Durante muito tempo a artimanha funcionou, agora não mais. Antes do sujeito ser nordestino, paulista, carioca, gaúcho, mineiro ele sabe que é brasileiro, pagando a mesmíssima conta que o PT e seus subordinados entregam à população brasileira, sem distinção de região, classe social ou cor, sendo o PT digno de um “elogio”: o PT é sem preconceito neste quesito, o de prejudicar a todos, sem distinção, com exceção, claro, de seus altos líderes.

Chega a ser cômico a tentativa pitoresca de carimbar na testa dos manifestantes uma suposta contrariedade com os “sem teto”. Se por ‘sem teto’ o colunista entende MTST, acertou na mosca, somos todos contra. Se entende por ‘sem teto’ um sujeito como Guilherme Boulos, que é contra a propriedade privada mas vende seu livro até na internet, não o disponibilizando gratuitamente, como um bom comunista deveria fazê-lo, acertou. Não são só os movimentos de rua que são contrários aos MTST, Boulos e similares, o brasileiro minimamente informado não aceita verdadeiros milionários usando dinheiro do contribuinte para criar caos nas grandes cidades, o brasileiro mais informado não tolera alguns aproveitadores usando pessoas que, em alguns casos, sofrem de verdade e são exploradas politicamente — seja por ‘militantes’ profissionais, seja por jornalistas profissionais.

Quanto às cotas, ainda que individualmente eu seja totalmente contrário ao tema, é uma completa mentira dizer que isso foi pauta no dia 15 de Março. O governo do PT, ao qual o Sr. presta enorme serviço, rouba tanto, causa tanta destruição a este país que, infelizmente, o assunto ‘cotas’ não tem espaço nas prioridades do cidadão que vai às ruas protestar. No momento, temos  tópicos mais relevantes.

Dentre os tópicos relevantes que o Sr. estranhamente não lembrou, há um fundamental: a liberdade de imprensa. Como o Sr. pode ser da área e não ligar para isso, eu jamais entenderei, assim como não entendo como pode existir jornalista favorável a um partido que odeia a imprensa e quer censurá-la a todo custo, como o fizeram em todos governos totalitários da História e o fazem atualmente na Argentina e Venezuela. Nós lutamos pelo seu direito de se expressar.

Guardei o ponto mais importante pro final: o nazismo. Quando a esquerda se vê sem argumentos, o cérebro entra em pane e luzes de neon acendem as palavras “nazistas” e “fascistas” para acusar seus opositores, o que mostra, evidentemente, que os argumentos foram embora há muito tempo. Sobre o tema em si, existe uma pequena e crucial diferença entre o nazismo e o comunismo, além das camisetas descoladas do Che Guevara. O comunismo matou muito mais, e continua matando, ainda que sob outros pseudônimos. A Alemanha derrotada foi invadida e teve os campos de concentração descobertos, estudados e expostos à luz, já os Gulags, campos de concentração soviéticos, não. Os horrores nazistas foram dissecados, felizmente. Hoje, os judeus tem de ouvir a comparação criminosa de Luis Inácio Lula da Silva tentando ligar a ‘perseguição ao PT’ à ‘perseguição sofrida pelos judeus na Alemanha’. A União Soviética caiu, mas não foi invadida por exércitos inimigos, mantendo a maioria dos crimes comunistas nas sombras. Centenas de filmes mostraram o horror nazista. E o horror soviético? O horror cubano? O horror cambojiano? O horror norte-coreano? Poucos. Imagina se alguém abriria um partido nazista brasileiro? Jamais. E um partido socialista? PSTU, PSOL,PCdoB, PCO são suficientes? É muito glamour, muita simpatia, muito romantismo para uma ideologia que tinha de ter sido enterrada ainda mais fundo que o próprio nazismo. Veja o exemplo que a Ucrânia nos dá (porque sofreram na própria pele) ao proibir o comunismo. Mas você não vai perder tempo com uma informação dessas, não? É muito mais preocupante a ‘ascensão’ da direita no Brasil. Onde já se viu um país ousar ter partidos, pessoas e pensamentos que vão contra o que a esquerda entende como verdades absolutas? É muita pretensão de nossa parte.

A que interesses escusos você deve satisfações, eu não sei, restando-me supor sem lhe acusar. Numa terra devastada, habitada por poucos homens íntegros, como Sérgio Moro, me causa estranheza um jornalista debochar, maldizer, caluniar e ofender aqueles que, no mínimo, defendem os interesses de 93% de uma população insatisfeita com o governo petista.

Aproveito a oportunidade pra lhe convidar para a próxima manifestação contra o PT: 16 de Agosto. Leve sua câmera fotográfica, seu celular e filme tudo. Se vir alguma suástica, alguma ofensa aos nordestinos, às pessoas pobres que não tem onde morar e similares, eu paro de escrever. Prometo.