Dica de Leitura: Arquipélago Gulag, de Alexandre Soljenítsin

0
4167
Me leva para a Luciana Genro!

Recomendo a leitura do clássico “Arquipélago Gulag”, de Alexandre Soljenitsine* (ou: Soljenítsin).

Durante a 2a guerra, em pleno front de batalha, o escritor, então soldado, foi preso por ter criticado Stalin numa carta particular a um amigo. Sim, a carta foi inspecionada e o prenderam (este era o nível da paranoia e restrição da União Soviética com um membro do Exército Vermelho lutando pela pátria. Imagine com civis); ele ficou trancafiado por muitos anos em diversas prisões — que formavam o ‘arquipélago’ de campos de concentração e trabalhos forçados: os Gulags — e se tornou uma das principais testemunhas dos horrores comunistas.

Na juventude, o escritor era marxista-leninista convicto e, já em 1983, resumiu:

“Mais de meio século atrás, quando eu ainda era uma criança, lembro-me de ouvir um número de pessoas mais velhas oferecerem a seguinte explicação para os grandes desastres que se abateram sobre a Rússia: ‘Os homens se esqueceram de Deus; é por isso que tudo isso aconteceu‘. Desde então, tenho passado quase 50 anos estudando a história de nossa revolução. Durante esse processo, li centenas de livros, colecionei centenas de testemunhos pessoais e contribuí com oito volumes de minha própria lavra no esforço de transpor o entulho deixado por aquele levante. Mas se hoje me pedissem para formular da maneira mais concisa possível a causa principal da perniciosa revolução que deu cabo de mais de 60 milhões de compatriotas, não poderia fazê-lo de modo mais preciso do que repetir:

‘Os homens se esqueceram de Deus; é por isso que tudo isso aconteceu

 

É por relatos assombrosos, como os narrados no livro, que não deveria haver nenhum defensor do modelo comunista. É o mínimo de respeito com quem vivenciou na pele este pesadelo. Sem permitir que o discurso vazio de “o socialismo, de fato, nunca aconteceu” encontro eco, pois tal pensamento parte do princípio que as nações tem de ir tentando o sistema até ele dar certo, como diz a Luciana Genro e muitos outros.