Depois das denúncias da revista Época, Lula deveria ser preso

0
5426

A República Federativa do Brasil vive tempos de escuridão. Breu. Desde 2003, são bravos aqueles que, direta ou indiretamente, trazem os fatos sombrios do lulopetismo à luz do sol. Lula teme o sol como um vampiro. Os jornalistas da revista Época merecem os parabéns. Na edição que saiu ontem, os jornalistas Diego Escosteguy, Thiago Bronzatto e Filipe Coutinho (Lula está processando os três) nos apresentam documentos que provam, nos jogam na cara, para ser mais específico, a atuação direta do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva como lobista para a empresa Odebrecht. Se fosse um trabalho para a empresa, que é privada, tudo bem, mas o problema é que Lula mexeu, diretamente, no dinheiro do pagador de impostos brasileiros: o BNDES.

Como funcionou o esquema? 

A Odebrecht, então sob comando de Marcelo Odebrecht, preso atualmente na operação Lava Jato, pagava ao Lula para que ele fizesse o ‘meio de campo’ entre o BNDES e a empresa. Era assim: Lula, ilegal e imoralmente, tinha portas abertas no governo Dilma e na ditadura cubana, e desta forma conseguia liberação de dinheiro do BNDES para a Odebrecht atuar, ainda mais, em Cuba. Lula viajava de jatinho fretado pela Odebrecht. A Odebrecht faturou em Cuba US$ 898 milhões. Valor equivalente a 98% dos financiamentos do BNDES em Cuba.

O lobista mais importante: Em 2011, um ano após passar o bastão presidencial à Dilma, Lula foi acompanhado do ex-ministro José Dirceu à Cuba (bom lembrar que Dirceu já era acusado no Mensalão). Zé Dirceu, também preso atualmente na operação Lava Jato, lembrou-se dos tempos de seu treinamento militar em Cuba, na época do regime militar brasileiro, em conversa com Raúl Castro. Pouco tempo depois desta visita ‘inocente’, o BNDES liberaria milhões de dólares para a Odebrecht. Lula tornava-se, portanto, o lobista mais importante da história brasileira. Houve outras visitas de Lula à ilha e, coincidentemente, mais liberações de dinheiro público para a Odebrecht e Cuba. O MPF investiga exatamente estas ‘coincidências’ entre as visitas de Lula e liberações de empréstimo da parte do BNDES. Como pode um ex-presidente ter o poder de decidir o uso do dinheiro do Brasil não só em Cuba mas em países africanos? Não pode, e aí está o crime. Crime de tráfico de influência internacional, precisamente os artigos 332 e 337 do Código Penal.

Uma vez terrorista…: Fernando Pimentel, então ministro do Desenvolvimento, atual governador de Minas Gerais, também intercedeu a favor de Cuba e da Odebrecht. Sempre em sintonia com o acordo entre Odebrecht, Cuba e BNDES. Chegamos ao ponto em que ter sido terrorista com treinamento militar vira uma espécie de bônus curricular para nossos embaixadores lobistas. O mesmo Fernando Pimentel que, hoje, é investigado pela PF por corrupção passiva e lavagem de dinheiro envolvendo o mesmo BNDES.

Para a Coréia do Norte, com carinho: O caso mais emblemático foi o porto de Mariel,  famoso na época de nossas últimas eleições. O ápice do absurdo envolvendo este porto, tirando os valores, foi a descoberta, no canal do Panamá, de uma carga inusitada escondida embaixo de um carregamento de açúcar: caças e tanques militares cubanos para…a Coréia do Norte. Um presentão de uma ditadura para outra, com carinho. Segundo a reportagem de Época, funcionários da Odebrecht, incrédulos, acompanharam o embarque dos equipamentos militares. É o dinheiro dos nossos impostos usado para isso, que tal?

Como os documentos vieram à tona?

Os documentos, classificados como secretos pelo governo Dilma, só vieram ao nosso conhecimento por uma ação do MPF. E por um excesso de zelo de um diplomata brasileiro em Cuba,  que anotou minuciosamente os fatos que presenciou em solo cubano, em 2011, na visita de Lula e, posteriormente, na visita de Pimentel. Se não fosse esta ação do MPF, os documentos permaneceriam como secretos até 2029, tempo que supostamente acabaria o prazo de confidencialidade dos mesmos. De novo, o gosto petista pela sombra.

As consequências?

Ao terminar de ler esta reportagem, o leitor mais atento possui uma certeza: Luis Inácio Lula da Silva deveria ser preso. Na segunda feira próxima, dia 31 de agosto de 2015. Essas revelações deveriam, num país minimamente civilizado, provocar um terremoto de proporções gigantescas. Por aqui, estamos, infelizmente, vacinados. Mas não podemos perder a capacidade de nos espantarmos, e devemos exigir que a justiça atue para que este ato criminoso contra o Brasil não fique impune. Ou será um atestado de que somos, definitivamente, uma republiqueta das bananas. Ou dos charutos cubanos, dados como garantia para um empréstimo de centenas de milhões de reais (leia abaixo).

Cuba, a queridinha dos socialistas

Se um cidadão comum for ao Banco do Brasil ou a Caixa Econômica Federal, ambos bancos estatais, terá uma lista enorme de dificuldades para pedir um empréstimo. Se atrasar o boleto, multa. Se não pagar, perde o apartamento, o carro, etc. E o tratamento de nossos líderes com Cuba? Como é? É feito com a mesma rigidez com que os cidadãos são tratados? Com a mesma indiferença que os empreendedores são tratados? Nas ‘excepcionalidades’ que constam no contrato entre Brasil e Cuba, saltam os olhos o amor socialista de Lula e Dilma para com a ditadura dos irmãos Castro.

Abaixo o que é normal e como foi (é) feito no caso específico do contrato do BNDES com Cuba:

Prazo de financiamento – Normal: 12 anos | Cuba: 25 anos

Prazo de equalização de taxa de juros – Normal: 10 anos | Cuba: 25 anos

Garantias: Normal: externos de recebíveis | Cuba: fluxos interno de recebíveis gerados pela indústria cubana de tabaco (!!!) (como bem dito na reportagem, se Cuba não pagar o Brasil vai levar fumo)

Portanto, lembre-se da fórmula petista: no discurso, defensores dos pobres e contra a ‘elite’. Na prática, voos de jatinho e lobby para um dos homens mais ricos do Brasil. No discurso, um ‘país de todos’. Na prática, um país para poucos. Este é o PT. Isto é o socialismo do século XXI.

 

O presente repete o passado

Na década de 70, o comunista Fernando Pimentel participou do assalto de um carro forte do Banco do Brasil.  Atualmente ‘evoluiu’: rouba, ‘democrática’ e ‘legalmente’, o BNDES.

Zé Dirceu, idem. Ex-terrorista, participou de vários crimes no governo militar brasileiro, e na última década dedicou-se aos assaltos ao Banco do Brasil, no Mensalão e, em seguida, com a ousadia que lhe é própria, do assalto na Petrobras. Era o Petrolão.

 

O futuro a Lula pertence?

Lula deve ser investigado, condenado e preso. No entanto, está fazendo um ‘tour’ pelo Brasil e não me refiro ao Pixuleco, o Lula Inflado, e, sim, ao ex-presidente, que está animado para 2018, onde crê que será eleito. Com razão, porque se nada for feito a máquina petista de roubar e distribuir dinheiro continuará a todo vapor, fazendo qualquer um ser eleito.