A perda da fé no Brasil e o despertar da minha consciência

0
3389

por: Alexandre Karamazov

Ano passado, no dia 20 de Junho, junto dos milhares de cidadãos que se uniram pelo Brasil,caminhei pelo Centro do Rio de Janeiro, local onde transito sempre, mas sob um ângulo completamente diferente. Vi todos os tipos de pessoas unidas em torno das mudanças óbvias de nossa pátria: punição contra a corrupção, mais saúde, mais educação, a saída dos conhecidos ladrões do poder e centenas de outras reivindicações justíssimas. O básico para qualquer Estado. Alí estavam os playboys, as funkeiras, as patricinhas, os descolados, os conservadores, o pipoqueiro, o cobrador, o vendedor de cerveja, a garota de programa estudante de Direito, o policial à paisana, o anarquista usando Iphone, no Facebook e comendo McDonald’s, o professor comunista, o aluno fã de Napoleão e, claro, os que não tinham o que fazer. O sentimento era belíssimo, verdadeiro, puro. Havia uma energia no ar que inspirava o mais cético, digo por experiência própria. Mas o despertar de nossa consciência, apesar de lento, acaba acontecendo.

Primeiro eu perdi a fé nos políticos do Brasil, tempos depois perdi a fé no sistema que aí está, uma falsa democracia, e minha fé no povo brasileiro, baixa mas ainda resguardada naquela época, foi se esvaindo no próprio dia 20/06/2013. Em muitas gerações de brasileiros há um sentimento ingênuo de buscar culpados: a Globo, os EUA, o Capitalismo, Cabral (O Pedro Álvares e não o Sérgio, ainda), etc. E também há uma enorme carga de esquerdismo dentro de todos nós. Um ranço capaz de fazer, à época, um manifestante em cima de um carro de som, com milhares à sua volta, ficar criticando o Neymar por ser rico, enquanto ”nós estamos aqui, pobres!”. Como este cidadão desperdiçou os amplificadores para isso? Por que não juntar em coro os interesses comuns dos milhares de cidadãos ali? O lado negro da força não brinca. E é cada vez mais surpreendente a crueza da frase de que os bons precisam ter a audácia dos maus. Ali, naquele momento, na figura daquele cara criticando o Neymar – que eu não gosto como jogador – e no comportamento de micareta dos frequentadores em geral, eu comecei a entender o quão triste é o estado da sociedade (mais ou menos) informada do país.

Temos vícios de nossos pais, temos informações deturpadíssimas dos colégios e faculdades, que nos tornam fracos, burros e lentos para sequer sonhar com algum tipo de ”revolução”.
Aprendemos nos colégios que os militares eram malvados. E que o pessoal da esquerda lutou pela liberdade, sendo os “mocinhos” da história. Sim, aprendemos deste jeito ‘preto no branco’, o que é extremamente cinza. Ou seja, mesmo para os ‘informados’, tais cidadãos que estão no poder são ”salvadores da pátria”. É bom atentar, bastando pouco estudo sobre os fatos, que muitos eram terroristas que sonhavam em implementar o modelo socialista-comunista cubano/soviético/chinês no Brasil. E estão conseguindo.

E com esta recém história brasileira tendo sida completamente distorcida para nossas gerações, fica difícil sequer começar a entender o crime que é cometido pelo Partido dos Trabalhadores desde 2002 a nível federal. O aparelhamento de todos os setores da sociedade, parte da imprensa comprada, ministérios criados para abrigar aliados, cargos de total relevância para gerir a nação, idem. Qual é a necessidade de um Ministério da Pesca? E o que o Crivella sabe do assunto? Eu riria, se fosse na Argentina. Mas é aqui. Nosso país é estuprado diariamente por partidos de mentirinha – como bem definiu o Joaquim Barbosa – e por partidos assumidamente de ‘esquerda’ como PT, PSOL, PSTU, PCdoB e outros da mesma linhagem.

Tais partidos compartilham de alguns sonhos, uns mais outros menos:
Calar a imprensa independente que, com todos seus males, é ainda o último Forte de nossas defesas. Vejam os exemplos admirados de todas ditaduras de esquerda mundo afora, mais Argentina e  Venezuela, para não ir muito longe; tornar o povo cada vez mais informado por ”meios oficiais”, a famosa Propaganda – a mesma estratégia soviética, nazista, norte-coreana, etc.; manter o povo sob cabresto. Bolsas tudo, fazendo com que um simples pensamento de ausência de tal partido do poder seja impensável, pois, sem tal partido, o pânico seria iminente (A última propaganda do “Medo” do PT não me deixa mentir). O Bolsa Família, que pode ter começado com a melhor das intenções pela Ruth Cardoso, é a cocaína em forma de assistencialismo. Não há saída. E pior: não há clínica para tratamento. Qual candidato seria louco de levantar a bandeira de sua derrubada?

O PT venceu as eleições de 2002, 2006 e 2010.Vencerá a de 2014? Provavelmente. De 2018, com Lula? Também. Lá, em 2022, ao término do hipotético mandato, serão 20 anos sob o governo de uma quadrilha. Muito pior do que o Comando Vermelho e PCC. Vinte anos! Sem nenhum avanço começado por estas pessoas.
É extremamente cômodo ficarmos dizendo ”político é tudo igual”, ”vou votar nulo, não adianta”, e ficar se preocupando somente com seu quarto arrumado, com seu celular de última geração – nada contra o consumo, longe de mim! – e sua internet banda larga. Se nós não mudarmos este país, como desejamos, continuaremos a ser plateia de um drama. E os atores principais, péssimos por sinal, continuarão a ser: PT, Black Blocs manobrados por esquerdistas imbecis que desejam se tornar o PT, Renan, Collor, Dilma e cia.

Enquanto nós, a classe média – segundo a filosofa da USP, a petista Marilena Chaui: “A classe média é o atraso de vida. A classe médiaé a estupidez. É o que tem de reacionário, conservador, ignorante, petulante,arrogante…” – vamos continuar pagando o preço em dinheiro, vidas perdidas e tudo que eles conseguirem. E a camada mais necessitada dos brasileiros, que não possui absolutamente nada, depende de nossa luta. Porque se dependerem, como sempre dependeram, da classe política que os usa, sem perdão, dia após dia, continuarão a votar nos mesmos, continuarão acreditando que o ”inimigo” é o ”patrão”, ”a mídia golpista”, ”o rico” e, como diria nosso maior canalha, Lula, as ”elites”. Quando nunca antes na história deste país os bancos lucraram tanto em cima do povo, como no governo dele. Quando a classe política tem até 15o salário, auxílio terno, combustível e outras regalias. Ah!, e tem foro privilegiado. Parabéns pela mentira constitucional de ”somos todos iguais perante à lei”. Não, não somos.

Em 2014, eu farei a minha parte, de todos os jeitos, a cada minuto possível, para tirar do poder essa quadrilha Petista, que é um câncer espalhado pelo Brasil. E já passou da hora do país mudar, de valorizar o que possui de melhor. É hora do ‘jeitinho brasileiro’ dar lugar à ‘criatividade brasileira’ para desenvolver o país, sem populismo, sem mentiras, sem conluios, jogando os velhos costumes políticos e de comportamento no lixo. É hora de esvaziarmos nossas cabeças de tudo que nos foi ensinado, empurrado goela abaixo, e fazermos nossas histórias. Lapidarmos nossa consciência. Antes que sejamos presos por pensar diferente. E não falta muito pra isso acontecer.
Veja a mais nova postagem do Diário da Corte!