16/8: o nosso dia D (ezesseis) – 10 motivos para você sair de casa no próximo domingo

0
3510

Os aliados, no dia 6 de junho de 1944, ápice da Segunda Guerra Mundial, desembarcaram em massa na Normandia, no dia conhecido como o dia D, que mudou os rumos de nossa história e derrubou, como consequência, Adolf Hitler do seu trono de loucura e poder. Se não houvesse o dia D, talvez eu e você que lê este texto não estaríamos aqui, e o mundo seria outro. Por conta de homens e mulheres corajosos, do soldado raso até o primeiro-ministro britânico Winston Churchill, a bravura foi uma característica fundamental para derrubar o inimigo.

Hoje, em 2015, no Brasil, precisamos ter coragem e saber o nome do inimigo: Partido dos Trabalhadores. O PT de Dilma Rousseff, Luis Inácio Lula da Silva, José Dirceu, José Genoíno, Delúbio Soares, João Paulo Cunha, e todos aqueles que, direta ou indiretamente, lucraram com os roubos e corrupção do governo petista. De donos de empreiteiras até pequenos fiscais que embolsaram 1 real. O dinheiro do pagador de impostos, num país como o nosso, tem de ser zelado com cem vezes mais cuidado do que o normal. E é pelo nosso dinheiro, pelos nossos valores monetários, filosóficos e morais, pelo nosso passado, presente e, principalmente, nosso futuro, que devemos ir às ruas no próximo dia 16. Se por qualquer motivo nos acomodarmos, nos tornaremos cúmplices, experimentando uma espécie de síndrome de Estocolmo em proporções inimagináveis.

A coragem demonstrada bravamente nos dias 15 de Março e 12 de Abril de 2015, em diversas cidades brasileiras, e que trouxe conquistas imensuráveis, porque demonstrou aos donos do poder que eles precisavam, sim, sentir medo, temer aqueles que pagam seus salários e são roubados diuturnamente, e, além de tudo isso, são acusados diariamente de fascistas, racistas, homofóbicos, intolerantes, ‘fãs da ditadura’, e similares, só por, vejam que absurdo, estarem fartos do assalto estatal organizado. Tal coragem, apesar de ter levado 3 milhões de pessoas às ruas, não foi suficiente, por exemplo, para barrar a entrada de Fachin, petista, no STF; não foi o bastante para Dilma renunciar; não foi o suficiente para o PT entender que, eles, sim, eles, não podem mais nos enganar com propagandas hollywoodianas caríssimas, feitas com, claro!, nosso dinheiro. Lula não pode mais fingir que não é com ele, e não sabe como reagir, porque tem medo, com razão, de ser encarcerado por Sergio Moro.

Todos aplaudimos a coragem de um Joaquim Barbosa, de um Sérgio Moro, dos promotores da Lava-Jato e parte da Polícia Federal e, no próximo domingo, é preciso que todos nós demonstremos a mesma coragem que admiramos e cobramos. O PT não é o único problema do país, dominado por populistas há décadas, mas no momento é o nosso principal problema, um problema que só tende a piorar. Não podemos cair no mesmo erro de 2005, quando no ápice do Mensalão a oposição e a sociedade acharam que o Lula e seu partido estavam mortos. Não estão. Eles possuem a máquina pública, bilhões de dólares à disposição, cargos e mais cargos para fazerem chantagem e pressão direta e indireta na sociedade. Precisamos, portanto, enterrar qualquer possibilidade de Luis Inácio Lula da Silva voltar como uma espécie de ‘salvador da pátria’, que ele mesmo arrasou, em 2018.

Abaixo, para ajudar a memória de cada um que lê, listo alguns motivos, dentre milhares, para você refletir se é necessário sair de casa pelo nosso país por algumas horas, ou se acha perfeitamente normal nossa situação:

1- Dilma sabia do Petrolão – ex-presidente do Conselho da Petrobras, ex-ministra das Minas e Energia e ex-ministra da Casa Civil, portanto umbilicalmente ligada ao maior esquema de corrupção do planeta já descoberto, nossa presidente é cúmplice de todos bandidos presos por Sergio Moro.

2- Não bastou o Mensalão – Entre 2007 e 2013, o Brasil acompanhou uma luta ao vivo entre o bem e o mal no STF, nas figuras de Joaquim Barbosa e Lewandowski. O bem ganhou até os 45′ do segundo tempo, quando Joaquim teve de se retirar do tribunal por ser ameaçado de morte, com um silêncio covarde do PT. Enquanto isso, no meio do julgamento mais importante de nossa nação, os bandoleiros do PT não apenas não pararam de assaltar o Brasil, como ‘melhoraram’ seu nível de roubo, deixando de roubar apenas o Banco do Brasil para assaltarem a Petrobras. Se no Mensalão roubaram milhões, no Petrolão roubaram bilhões. Era a certeza da impunidade.

3- Urnas eletrônicas – Se você acredita que o PT roubou tudo, de todos setores do nosso país, mas tem uma certa ética romântica de não mexer nas urnas eleitorais, parabéns. Eu não. Eu não acho que eles tenham um milímetro de decência com a coisa pública, e não acredito por um segundo na confiabilidade de nossas urnas. Quando confrontados com nosso apelo para mudar o sistema de votação, o que fizeram os petistas? Ignoraram.

4- Dias Toffoli no TSE – Imagine um partido pegar um ex-advogado e o colocar no STF, sem o mesmo ter o minimo de preparo profissional para tal. Agora, imaginem colocar este mesmo senhor no Tribunal Superior Eleitoral, durante as eleições mais importantes dos últimos tempos, sem nenhuma supervisão, controle e transparência? Foi o que fizeram conosco no ano passado.

5- O ódio promovido entre classes e regiões – Lula, como grande parte dos petistas, jogou brasileiro contra brasileiro, numa sede psicopata por sangue e tragédia. Tentou colocar sulistas contra nordestinos, héteros contra homossexuais, pobres contra ricos e negros contra brancos. Eles preferem ver uma guerra civil do que abandonar o poder, para não largarem o osso que rendeu milhões para os amigos do Rei — e da Rainha. O ápice foi um ex-presidente da República recorrendo a um grupo paramilitar — MST — para ameaçar seu próprio povo.

6- O enriquecimento mais do que suspeito de Lulinha – enquanto você trabalha igual um condenado diariamente para ter dificuldades imensas em pagar as contas, quando paga,  o filho de Lula virou milionário — ele trabalhava num zoológico e, estranhamente, da noite para o dia, virou um empresário riquíssimo e bem sucedido, sócio de empresas fantasmas, recebendo vantagens e favores por ser o filho do Rei.

7-  A cumplicidade com regimes ditatoriais – No que pode ser elencado como o ponto mais sombrio do PT, temos a camaradagem de conveniência com países que perseguem a imprensa e seus opositores, como Cuba, Venezuela, Argentina e, pasmem, Coréia do Norte, além de Irã, Bolívia e Equador. Recentemente a oposição brasileira foi impedida de visitar um preso político venezuelano, por um grupo de chavistas fanáticos, que desafiaram o Brasil, com silêncio cúmplice do PT e do outrora respeitado Itamaraty. Sem falar nos bilhões emprestados pelo nosso BNDES, dinheiro do pagador de impostos, a esses países e ditaduras africanas.

8- Foro de São Paulo – Quando você tem lideres de um país que colocam a soberania nacional em risco, tornando os interesses brasileiros em mero detalhe diante do ‘coletivo’ latino americano, você pode ter certeza de que esses líderes não querem o melhor para o Brasil. Querem apenas o melhor para o partido. O partido vem à frente de qualquer cidadão ou instituição brasileira.

9- Corrupção generalizada e estimulada – O PT sempre diz que a corrupção sempre existiu. É verdade? Sim. No mundo todo. Porém, nunca antes na história deste planeta se roubou tanto. Com a conivência criminosa dos senhores do poder. Zé Dirceu, Genoíno, Delúbio, Silvinho Pereira, João Paulo Cunha e outros  eram da elite petista quando o partido subiu a rampa do palácio do planalto, em 2003,  e foram todos condenados pelos crimes mais absurdos contra o erário. O que o PT fez? Os tratou como heróis, dizendo que os escândalos foram obras da ‘imprensa golpista’ e do ‘judiciário fascista’.

10- Um recado ao Lula – Luis Inácio Lula da Silva acredita ser o maior e melhor brasileiro que já passou por estas bandas. Ninguém é capaz de convencê-lo do contrário. E ele acredita, com motivos para tal, que será presidente em 2018. Nós aceitaremos que ele volte? Deixaremos o caminho  livre para o maior líder de quadrilha de todos os tempos voltar a comandar o Brasil? O nosso dia D também é para isso: um recado direto e simples a ele. Você, Lula, nunca mais se elegerá a nada. Nem para síndico de prédio.

Dia 16, nos vemos no lugar mais importante pro Brasil nesse momento: a rua.